Quarta-feira, 14 de Março de 2007

O faroleiro

 

Apenas este ilhéu é que é pequeno

O resto é tudo grande: o tédio, a vida,

O dia enorme, a noite mais comprida,

E o mar, calmo ou feroz, rude ou sereno;

 

O tempo, esse narcótico veneno,

A dor, essa letárgica bebida,

O desejo, essa voz enrouquecida,

E a saudade, o distante e branco aceno.

 

Tudo profundo, imenso, na amplidão,

Eterno quási na desolação

E sobrenatural na solidão.

 

A luz vermelha a reflectir-se além…

Nenhum vapor que vai, nenhum que vem…

Farol e faroleiro – e mais ninguém.

 

 

Aos cativos

 

Vós outros, que sois cativos,

Grilos dentro de gaiola;

Aves, que andastes à solta,

E vos prenderam à argola;

Peixes nalguma redoma,

Muito mais mortos que vivos, -

Ouvi:

Maior prisão é cá dentro.

 

 

Vós outros, que sois cativos,

Com ferrolhos pelas portas,

E chaves de muitas voltas,

Medonhas grades por fora,
E luz, por dentro, tão pouca,

E antes mortos do que vivos, -

Ouvi:

Preso está quem anda à solta.

 

Mas seja assim, muito embora,

Vós outros, que sois cativos,

Minh’ alma não vos ignora

Nesta prisão de aqui fora,

Onde é noite a toda a hora,

E, condenados, os vivos

Parecem mortos agora; -

Ouvi:

O tempo tudo melhora

 

NASCIMENTO, Cabral do – Cancioneiro. Lisboa: Edições Gama, 1943. P.61-62, 107-108.



publicado por BMFunchal às 20:35
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
Março 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
15
16
17

19
21
22
23

25
26
28
29
30
31


links
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds