Segunda-feira, 19 de Agosto de 2013

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

História

 

O senhor do monóculo

usava uma boca desdenhosa

e na botoeira a insolência

duma rosa.

 

Era o poeta.

 

Quando passava

-figura subtil e correcta

toda a gente dizia

que era o poeta.

 

-Era, portanto, o poeta…

 

Mas um dia

o senhor do monóculo

quebrou o monóculo

guardou a boca desdenhosa,

e esqueceu na mesa de cabeceira

a flor que ponha na botoeira,

a insolente rosa…

 

Entrou nas tabernas e bebeu,

cingiu o corpo de prostitutas,

jogou aos dados e perdeu,

deu a mão aos operários,

beijou todos os calvários

-e aprendeu.

 

E o mundo,

Que o chamava poeta,

esqueceu;

e quando o via passar

limitava-se a exclamar:

-O vagabundo!

 

Mas o senhor do antigo monóculo,

da antiga figura subtil e correcta.

sentia vozes dentro de si,

vozes de júbilo que diziam:

-É o poeta! É o poeta!

 

Herberto Helder

 



publicado por BMFunchal às 13:05
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
Agosto 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


links
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds