Quinta-feira, 31 de Maio de 2007

Luís Marino, nome literário de Luís Gomes da Silva nasceu na freguesia da Sé, Funchal, a 3 de Março de 1909. Filho de António Gomes da Silva e de D. Júlia dos Santos Silva.

De 1924 a 1969 foi empregado na Indústria dos Bordados da Madeira.

 

Esteve ligado ao jornalismo. Escreveu inicialmente para o semanário O fixe, e, posteriormente, foi secretário e depois redactor do semanário A Madeira nova (1932-1935). Colaborou com os periódicos: A Voz da Madeira; Comércio do Funchal; Eco do Funchal; A Ilha; O Povo; O Jornal; Re-nhau-nhau; O Bombeiro; Diário da Madeira; Almanaque Madeirense entre outros.

 

Em 1938 foi laureado com Menção Honrosa no Concurso de Quadras Populares, organizados pela revista “Cultura e Recreio”, de Lisboa.

Em 1941-42 obteve três Menções Honrosas nos Jogos Florais da Madeira, organizados pelo jornal “Eco do Funchal”.

Em 1946 repetiu a proeza, desta feita nos Jogos Florais organizados pelo “Ateneu Comercial do Funchal”, com “O pobre e o rico”.

Em 1950 e 1960 recebeu Menção Honrosa e Primeiro Prémio nos Jogos Florais dos Açores, promovidos pelo “Clube Asas do Atlântico”, poemas que foram radiodifundidos pela Emissora de Santa Maria.

Em 1951 ganhou o primeiro prémio nos Jogos Florais de Portugal, promovidos pela “Propaganda Turística Portuguesa” de Lisboa. Esses versos foram declamados por João Villaret (ouça alguns dos seus albuns na Fonoteca Municipal) e radiodifundidos pela Emissora Nacional em 31 de Outubro desse ano.

 

 

Foi homenageado no dia 2 de Outubro de 1984 pelo Secretaria Regional do Turismo e Cultura. O seu estado de saúde não lhe permitiu estar presente, pelo que foi entregue à sua esposa Maria José de Freitas Silva. 

 

O seu nome figura no livro Dicionário de Escritores e Artistas Portugueses Contemporâneos.

 

Poderemos afirmar com convicção que o seu maior contributo para a literatura madeirense foi, certamente, a selecção bio-bibliográfica de 372 poetas madeirenses, desde o séc. XV à data de edição da obra.

Veja o índice da obra.

 

Além da avultada investigação, dos seus trabalhos jornalísticos e da escrita de diversos poemas, prefaciou a obra de Noé Pestana, Noite sem lua.

 

 

Segundo Roberto Telles,

 (…)Luís Marino, na transparência da sua linguagem, reflecte os anseios de uma alma sedenta de luz e de paz interior. Um poeta, enfim, da insularidade, da solidão e da saudade – tal como os bordados madeirenses, desde Medina, a Álvares de Nóbrega, e de Cabral do Nascimento a Brito Câmara. (…)

 

Faleceu a 12 de Julho de 1996, segundo a sua Certidão de Óbito e foi sepultado no Cemitério de São Martinho dois dias após.

 

A propósito do autor, Fátima Dionísio escreve, “Apesar de justamente reconhecido e homenageado, além de acarinhado por todos quantos do seu trabalho beneficiaram, não recebeu o prémio que lhe era devido enquanto pioneiro de uma “História Literária da Madeira” por fazer e a que o Visconde do Porto da Cruz e o Pe Fernando Augusto da Silva, nos meados do século, e actualmente, os historiadores Rui Carita e Nelson Veríssimo, deram impulsos de mérito. (…) Possam os responsáveis pela cultura na Região aquilatar do real valor das suas obras, editando-as, numa talvez última e merecidíssima homenagem ao espírito de responsabilidade e dedicação com que as produziu”.

 

Actualmente a BMF possui um vasto conjunto de obras de Luís Marino, como poderá constatar na bibliografia abaixo mencionada, disponibilizadas para consulta e provenientes de aquisições e doações de alguns nomes sonantes da literatura madeirense, tais como Fátima Pitta Dionísio e Florival de Passos.

 

De referir também a valiosa colecção de 16 volumes (inéditos) intitulada Panorama literário do Arquipélago da Madeira. (textos dactilografados) que se encontra na Biblioteca Pública Regional da Madeira.

 

Ler alguns poemas aqui.

 

Bibliografia

 

Revoada de sonhos. Funchal, 1932.

Cardos e papoilas. Funchal, 1944 (Prefácio Jaime Vieira Santos)

O Cego: conto. Funchal, 1944.

Pobre e o rico. Funchal, 1950.

Vultos bíblicos: versos. Funchal: Ed. Eco do Funchal, 1955.

Ilhas dos amores: poesias alegóricas à Madeira. Funchal, 1957

Musa Insular: poetas da Madeira. Funchal: 1960 (Prefácio Jaime Vieira Santos, capa de Max Römer)

O filho pródigo: parábola em verso e Poesias alegóricas aos Açores. [Funchal]: Eco do Funchal, 1960.

Poemas da ilha. Funchal: s.n., [1975]

História antiga: poema, Funchal: 1975

O Canto do Cisne: Poemas. Funchal: Tipografia Minerva, s.d.

Desencantamento. Funchal: s.n, s.d.

Descendo o Parnaso

Resplendor celeste: Poemas. Funchal: s.n ,s.d.

Bolas de Sabão: Poemas: Funchal: Edição do Autor, s.d.

Dr. Augusto Elmano Vieira: o homem e o literato

Musa satírica

Páginas de memória: uma lacuna nas "Obras completas de Guerra Junqueiro: como o

monólogo dramático "O náufrago" aparece na Madeira

Lapsos literários"errare humanum est"

Asas…:poemas. Funchal: Eco do Funchal, s.d.

Nos meandros da vida…Funchal:s.d.,s.n.

Cantorias. Funchal: sl,s.n.

Natal. [Funchal]: Eco do Funchal, 1954.

 

 

Na sua obra: Descendo o Parnaso, podemos ler uma lista de algumas obras por publicar.

 

Ponta do Sol na Ilha da Madeira (prefácio de Alberto Figueira Gomes)

Panorama literário do Arquipélago da Madeira (Dicionário bio-bibliográfico de 16 Vols)

Os esquecidos (Colectânea)

Miscelânea (Páginas de Jornalismo)

Adenda a Musa Insular

Poetas da nossa terra

Galeria bibliográfica

Poetas humorísticos e satíricos

Nótulas bibliográficas (Referências literárias)

Plágios, imitações e coincidências

Temas literários (4 vols.)

Memórias

Manuel Ferreira Rosa e a sua Obra Poética

Francisco da Silva Júnior - o Romântico e o Satírico

A indústria dos Bordados da Madeira (Um pouco da sua história)

Descontentamento ( Poema)

 

 

Bibliografia consultada

 

Diário de Notícias. 3 Out. 1984. p.1,6.

DIONÍSIO, Fátima Pitta – Pai da investigação literária madeirense: no pensamento de Luís Marino. Diário de Notícias, 17 Julho 1996. p.12

Jornal da Madeira. 3 Out. 1984. p.1,4,7.

MARINO, Luís – História Antiga. Funchal: Edição do Autor, [1975].

TELLES, Roberto – Cartas de Lisboa. Jornal da Madeira. 3 Out., 1984. p.4

VERÍSSIMO, Nelson – Um divulgador dos escritos madeirenses. DN Revista. 12 Setembro 1993. p.17

 



publicado por BMFunchal às 22:05
mais sobre mim
Maio 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
16
17
18
19

20
21
22
23
24
26

27
29
30


links
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds